Buscar

Setor de franquias cresce 48% no segundo trimestre de 2021 e aponta para recuperação

A Associação Brasileira de Franchising (ABF) revelou esta semana que o setor de franquias teve um crescimento de 48,4% no segundo trimestre de 2021, atingindo um faturamento de R$ 41,1 bilhões. O valor ainda é 4,6% menor que o mesmo período em 2019, na pré-pandemia, quando o franchising faturou R$ 43,1 bilhões.


Com relação ao primeiro trimestre do franchising neste ano, o setor obteve um crescimento de 3,2%, apontando para uma tendência de crescimento neste ano e no período pós-pandemia que se seguirá. Ao analisar o acumulado dos últimos 12 meses, do terceiro trimestre de 2020 ao segundo deste ano, o franchising cresceu 4,4% em seu faturamento, alcançando os R$ 178,9 bilhões.


A recuperação do setor diante da crise econômica também se reflete no balanço de abertura e fechamento de unidades de franquias. No segundo trimestre do ano, o setor teve um saldo positivo de 2,2%, com 3,9% unidades abertas e 1,7% fechadas. No mesmo período no ano anterior, o saldo foi de -3,2%, demonstrando que o ano de 2021 está trazendo recuperação do setor após os efeitos da pandemia terem causado retração no mer


cado de franchising.

Comparado ao segundo trimestre de 2020, o segmento de Entretenimento e Lazer foi o com melhor desempenho no mesmo período deste ano. Os negócios deste setor tiveram um crescimento em seu faturamento de 874,9%. Paralisados de


vido às medidas de proteção ao coronavírus, as franquias de eventos, playgrounds, entre outros sofreram grande impacto. Porém, como pode ser visto, a recuperação foi forte, quase alcançando o faturamento de 2019, no período pré-pandemia.



O segundo segmento que obteve um maior crescimento comparado ao segundo trimestre de 2020 foi o de Hotelaria e turismo, que obteve uma variação no faturamento de 458,2%. O segmento foi um dos mais afetados pela pandemia, devido à retração de atividades turísticas, ocasionando em menor ocupação de hotéis, pousadas, entre outros. As agências de intercâmbio, por exemplo, são umas das mais representativas deste segmento, e com as restrições impostas pela Covid-19 internacionalmente, tiveram que ficar paralisadas por muito tempo.



Seguidos destes segmentos vêm os de Moda e Alimentação. O primeiro teve um aumento de 178,2% no faturamento em relação ao segundo trimestre do último ano. O setor de Alimentação possui dois dados específicos: o mercado voltado para Comércio e Distribuição teve um crescimento de 71,3%, enquanto que o de Food Service cresceu 47,8%.




Com o desempenho obtido pelo setor de franquias e seus principais segmentos obtendo um crescimento em relação ao ano da pandemia, é possível esperar uma recuperação considerável do mercado no pós-crise. Muitas inovações e novos formatos têm surgido para ajudar o franchising a se adaptar às novas formas de consumo.


O formato Dark Kitchen, por exemplo, adotado por diversas franquias de alimentação na pandemia, foi adotado ou está em fase de implementação em 32,8% das redes, segundo os dados da ABF. Além dos formatos que ganharam força, como o home based, que cresceu 3,2% no primeiro trimestre de 2021.


A projeção feita pela ABF é de um crescimento de 8% no mercado ao final de 2021. A instituição acredita que haverá um aumento de 5% no número de unidades e 4% no número de novas redes. O impacto gerado na economia se vê diretamente na empregabilidade do setor, que também prevê um aumento de 5%.

21 visualizações0 comentário